Desenvolvimento na primeira infância: janela de oportunidades e nutrientes chave

Favoritar

Os primeiros 1000 dias - período que compreende a concepção até os 2 anos de idade - são um período crítico, em que existe uma janela de oportunidades para moldar o desenvolvimento presente e a saúde futura da criança. A nutrição é peça fundamental neste período e no imprinting metabólico para fases posteriores da vida e, apesar de todos os nutrientes serem importantes de alguma forma neste processo, alguns merecem atenção ainda mais especial por serem determinantes no desenvolvimento neuro cognitivo e motor, por moldarem a microbiota intestinal e por garantirem o crescimento longitudinal adequado.

​O aleitamento materno exclusivo é recomendado até o sexto mês de vida do bebê. Porém, frequentemente, o leite de vaca é escolhido como substituto antes mesmo dessa idade. O mesmo não fornece uma composição ótima de nutrientes essenciais, tampouco na melhor forma de aproveitamento durante essa janela de oportunidades, uma vez que contém proteínas em excesso para a faixa etária, fato que tem sido associado à obesidade na vida adulta. Além disso, é pobre em ferro - com baixa biodisponibilidade, em ácidos graxos essenciais e em fibras, todos importantes ao adequado desenvolvimento do lactente1-3. Assim, as fórmulas infantis são uma alternativa mais adequada ao leite de vaca durante esta janela de oportunidades, pois prezam pelo cuidado de se aproximar ao máximo da composição do leite materno e trazer, de forma cuidadosa, todos os nutrientes nas quantidades e nos formatos mais adequados para otimizar a nutrição neste período crucial, quando o lactente não tem a oportunidade de ser alimentado através do leite materno.

 

Abaixo, é possível observar as principais funções de 5 nutrientes que merecem destaque ainda maior ao longo desta janela de oportunidades:

1. Proteínas essenciais

As principais funções das proteínas na fisiologia do lactente incluem o fornecimento de aminoácidos para as reações metabólicas e desenvolvimento estrutural, melhora na biodisponibilidade de micronutrientes, como vitaminas e minerais, fortalecimento do sistema imune, além de contribuir no processo de aprendizado e desenvolvimento neuro cognitivo4. Apesar do papel inegável da proteína em todos estes quesitos, a "hipótese da proteína precoce" sugere que a ingestão elevada desse nutriente no início da vida aumenta a circulação de alguns aminoácidos essenciais, como os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA), o que estimula maior secreção de insulina e IGF-1, hormônios anabólicos que favorecem a lipogênese e podem promover o ganho de peso a curto e longo prazo5,6.

2. Ácidos Graxos essenciais: a base para o desenvolvimento neuro cognitivo

Os ácidos graxos DHA e ARA, apesar de presentes em menor proporção, são componentes indispensáveis na composição estrutural das membranas celulares, sendo incorporados em grandes proporções no cérebro e na retina, especialmente nas fases iniciais do desenvolvimento, além de participarem de mecanismos de sinalização celular, expressão gênica e desenvolvimento da imunidade7. Contudo, é importante se atentar à forma química pela qual estes ácidos graxos são ofertados, se acoplados à cadeia de fosfolipídeos ou triacilgliceróis, pois este é um fator determinante no aproveitamento e incorporação tecidual destes nutrientes8.

3. Ferro: um nutriente chave e um paradigma das interações cérebro-nutriente

O ferro é um nutriente essencial em toda a vida, mas é especialmente crucial dentro desta janela dos primeiros 1000 dias, quando o cérebro em desenvolvimento necessita de um suprimento intenso de ferro para as proteínas reguladoras da produção de mielina, para a síntese de neurotransmissores e para o adequado suprimento de energia aos neurônios. Todos estes processos estão envolvidos na capacidade e rapidez de processamento cerebral, que perdura ao longo das fases consecutivas da vida9,10.

4. Vitamina D: para o desenvolvimento ósseo e saúde imunológica

A vitamina D é conhecidamente um nutriente crucial no processo de mineralização óssea e prevenção do raquitismo. Mais recentemente, funções imunomoduladoras também foram atribuídas a ela, com potencial ação no fortalecimento da imunidade e prevenção de doenças, especialmente as  autoimunes, como o diabetes mellitus tipo 110.

5. Fibras prebióticas: ações locais e sistêmicas para uma boa saúde

O papel das fibras prebióticas, especialmente representadas pelos oligossacarídeos GOS e FOS, vem sendo reconhecido como um amplo espectro de ações benéficas locais no intestino, mas também sistêmicas. Elas se ligam profilaticamente a bactérias, vírus e toxinas da luz intestinal, estimulando o fortalecimento do sistema imune local e melhorando a barreira intestinal através do estímulo à expressão de proteínas envolvidas na integridade das junções de oclusão entre os enterócitos11. Também demonstram  potencial ação no fortalecimento da imunidade sistêmica do lactente, contribuindo para a prevenção de alergias e infecções de vias aéreas superiores, por exemplo11.

 

REFERÊNCIAS

1.      Pietrobelli A, Agosti M; MeNu Group. Nutrition in the First 1000 Days: Ten Practices to Minimize Obesity Emerging from Published Science. Int J Environ Res Public Health. 2017;14(12):1491.

2.      Ballard O, Morrow AL. Human milk composition: nutrients and bioactive factors. Pediatr Clin North Am. 2013;60(1):49-74.

3.      Mameli C, Mazzantini S, Zuccotti GV. Nutrition in the First 1000 Days: The Origin of Childhood Obesity. Int J Environ Res Public Health. 2016;13(9):838. Published 2016 Aug 23. doi:10.3390/ijerph13090838

4.      Verd S, Ginovart G, Calvo J, Ponce-Taylor J, Gaya A. Variation in the Protein Composition of Human Milk during Extended Lactation: A Narrative Review. Nutrients. 2018;10(8):1124.

5.      Tang M. Protein Intake during the First Two Years of Life and Its Association with Growth and Risk of Overweight. Int J Environ Res Public Health. 2018;15(8):1742. Published 2018 Aug 14. doi:10.3390/ijerph15081742

6.      Koletzko B., Demmelmair H., Grote V., Prell C., Weber M. High protein intake in young children and increased weight gain and obesity risk. Am. J. Clin. Nutr. 2016;103:303–304. doi: 10.3945/ajcn.115.128009.

7.      FAO. Food and Agriculture Organization of the Unite Nations (FAO). Fats and fatty acids in human nutrition. Rome, 2010. Report of an expert consultation. Food and Nutrition Paper 91

8.      Willatts P et al. Effect of long-chain polyunsaturated fatty acids in infant formula on problem solving at 10 months of age. Lancet, 1998. 352(9129): 688-91.

9.      Unicef. The first 1,000 days of life: The brain’s window of opportunity. Available at < https://www.unicef-irc.org/article/958-the-first-1000-days-of-life-the-brains-window-of-opportunity.html>

10.  Beluska-Turkan K, Korczak R, Hartell B, et al. Nutritional Gaps and Supplementation in the First 1000 Days. Nutrients. 2019;11(12):2891. Published 2019 Nov 27. doi:10.3390/nu11122891

11.  Morrow A, Ruiz-Palacios G, Altaye M, Jiang X, Guerrero M, Meinzen-Derr J, Farkas T, Chaturvedi P, Pickering L, Newburg D. Human milk oligosaccharide blood group epitopes and innate immune protection against campylobacter and calicivirus diarrhea in breastfed infants. In Protecting Infants through Human Milk. Springer. 2004;443–446.

07/02/2024



Produtos Relacionados

Mais conteúdos como esse

Faça seu cadastro e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados de acordo com o seu interesse!

x