Estrutura lipídica de Aptamil Profutura promove 2x mais incorporação de LCPUFAs nas membranas celulares

Favoritar

Se todas as fórmulas infantis do mercado brasileiro têm completa oferta de macronutrientes para bebês no primeiro ano de vida, como saber qual fórmula é a mais adequada?

A seguir, disponibilizamos 2 estudos sobre o assunto:

 

Os LCPUFAs são encontrados em alimentos, principalmente naqueles ricos em triacilgliceróis (TAGs) ou fosfolipídios (PLs). Este estudo avaliou a incorporação neural do DHA fornecido na fórmula infantil para leitões em crescimento como uma dose de (13) C-DHA ligado a TAG ou fosfatidilcolina (PC) por 16 dias. Em seguida, os órgãos dos leitões foram analisados ​​para (13) C-DHA e outros metabólitos de FA. PC- (13) C-DHA foi 1,9 vezes mais eficaz para o acúmulo de DHA de substância cinzenta do cérebro do que TAG- (13) C-DHA e foi igualmente mais eficaz em sinaptossomas de substância cinzenta, retina, fígado e glóbulos vermelhos. Esses dados suportam diretamente uma maior eficácia para PC como um transportador para LCPUFAs em comparação com TAG, consistente com estudos anteriores de ácido araquidônico e DHA medido em outras espécies.

Acesse o artigo original: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24470588/

Higher efficacy of dietary DHA provided as a phospholipid than as a triglyceride for brain DHA accretion in neonatal piglets. J Lipid Res. 2014, 55(3):531-9

 

O ácido araquidônico (AA) é um poliinsaturado de cadeia longa (LCP) presente no leite materno como triglicerídeo (TG) e como fosfolipídeo (PL). O objetivo do estudo foi investigar a eficácia de TG e PL como carreadores de AA na incorporação no cérebro e órgãos de bebês babuínos nascidos a termo. TG e fosfatidilcolina (PC) com AA na posição sn-2 e com 16: 0 não marcado nas posições restantes (TG-AA ou PL-AA, respectivamente) foram usados ​​para estudar a incorporação de AA no tecido. Os bebês babuínos receberam uma dose oral única de TG-AA * (n = 3) ou PL-AA * (n = 4) aos 18-19 dias de vida. Os tecidos foram obtidos 10 dias depois (28-29 dias de vida) e avaliados. No cérebro, 4,5% da dose PL-AA e 2,1% da dose TG-AA foram recuperados como AA cerebral, respectivamente, indicando que PL foi cerca de 2,1 vezes mais eficaz do que TG como substrato para AA cerebral acreção. A incorporação preferencial de AA derivado de PL em vez de fonte de TG de AA também foi observada no fígado, pulmão, plasma e eritrócitos. Devido à predominância quantitativa de TG-AA na fórmula, o acréscimo total de AA no cérebro, expresso como peso absoluto, foi 5,0 vezes maior com TG-AA do que com PL-AA. Estimamos que cerca de metade do acréscimo de AA no cérebro pós-natal é derivado de AA pré-formado na dieta em bebês babuínos a termo que consomem uma fórmula com composição lipídica semelhante à do leite humano.

Acesse o artigo original: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11861929/

Efficacy of dietary arachidonic acid provided as triglyceride or phospholipid as substrates for brain arachidonic acid accretion in baboon neonates. Pediatr Res. 2002, 51(3):265-72

 

07/02/2024



Produtos Relacionados

Mais sobre o produto

Mais conteúdos como esse

Faça seu cadastro e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos e personalizados de acordo com o seu interesse!

x